Se for copiar algum poema ou texto desse blog, favor citar a fonte (colocar o nome da autora e o endereço do blog)

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

A condição não egoísta do Amor Monogâmico - Pricilla Camargo Diniz (A fada de olhos azuis)

Vou começar de uma forma bem direta. O amor monogâmico não é egoísta. Muita gente "poser" vai tentar refutar essa colocação. Mas na verdade quando um casal se propõe a viver a plenitude desse amor de uma maneira real, completa, experimentando as diversas nuances de estar junto, o amor passa a ser compartilhado, pois, se pensa nos dois ao mesmo tempo... Se pensa na completude das ações vividas junto, na forma como as coisas passam a ser menos drásticas. Como que as cobranças passam a ser outras e não estar extremamente maquiada e de salto o tempo todo... Porque a cumplicidade está em poder ir jantar ambos de chinelo, sem dever nada pra ninguém... E se divertir com isso. O amor monogâmico é além de tudo, um amor desprendido da própria condição egoísta, pois, para esse amor o que basta é a partilha com o outro... É a vivência com o outro... É assumir que o Eu nao comanda a relação mas vive dessa relação de forma real. E ser feliz com isso. Aliás, extremamente feliz. Porque na verdade o amor poligâmico é um egoísta sem precedentes, já que sempre o que comanda a relação é Eu. O Eu, tem sempre que ser satisfeito, custe o que custar. Já que o ego é um fator crucial, pois, todas as alternativas de amor passam a ser vivenciadas de uma maneira quase que obrigatória. Não se segura no que chamamos tentação. Então todos os seres que são atraentes aos olhos do Eu, passam a ser possibilidades reais de amor, não importando o Outro ou a Outra pessoa que porventura já estivesse vivendo um romance. E esse Eu passa a ser arrogante ao passo de que mesmo inconscientemente fale assim: " se quiser ficar comigo você tem que aceitar... Senão tem quem queira." - tem coisa mais egocêntrica do que essa frase? (onde somente o Eu importa na relação?) O amor monogâmico é além de tudo um exercício de desprendimento. É uma prova de que existe relações plenamente compartilhadas entre duas pessoas, que tem que se tornar pacientes, melhores, honestas para fazer com que dê certo. Não estou dizendo que a monogamia nao tenha problemas e que é sempre sublime. Tem problemas sim. Mas é uma maravilha quando esse relacionamento passa a dar frutos e que constata que existe uma construção de futuro pautada em duas pessoas que se estruturam juntas. Onde o Eu nao é o mais importante. E isso nao ser ruim. E isso ser extremamente positivo e lindo.

3 comentários:

Cezar Lopes disse...

Muito bom. Definiste muito bem o que é um relacionamento, no caso em tela, monogâmico. Parabéns!

Pricilla Camargo disse...

Os relacionamentos atuais são voláteis...

Será que a oferta está maior que a demanda?

Cezar Lopes disse...

Boa pergunta, amiga Pricilla. Boa pergunta! :)