Se for copiar algum poema ou texto desse blog, favor citar a fonte (colocar o nome da autora e o endereço do blog)

sábado, 1 de novembro de 2014

A luta invisível - A fada de olhos azuis(Pricilla Camargo) Pegava a jugular e sugava toda a seiva... Já não havia consistência e nem nitidez no que esboçava. Apenas palidez e uma leve tristeza. Pois a tristeza tinha que ser passageira pela batalha que estava se aproximando. Tinha que se manter forte, no caminho, mesmo que vozes contrárias fossem emitidas durante o percurso. Tinha que ser manter altivo, lívido e honesto consigo mesmo. O Caminho parecia muitas vezes esburacado, cansativo e deprimente... mas valia a pena seguir em frente, pois lá no horizonte estava toda a verdade: o direito de lutar dignamente pelo que acreditava!
(Em nome de seus filhos e em nome de si mesmo)

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Eco que vem do muro - Pricilla Camargo Diniz (A fada de olhos azuis)

Mortos vivos perambulam pelas ruas... Todos extasiados, seguindo o ritmo constante dos passos... Não sabem para onde ir... Não sabem pôr que vieram... Percorrem... Mas não têm respostas... Até mesmo pôr que eles não buscam pôr respostas... Apenas seguem... Nesse caso, o que vale é olhar... Olhar para os lados e perceber as múmias existentes... No compasso voraz da gula incessante Perco o sono e percebo, Percebo nuances nunca antes notada... E me vejo em volta... Em volta de gritos... Em volta de gemidos... Em volta de gozos, mas que não são gozos... São tentativas de tapar algum buraco, alguma lacuna... E que essa lacuna se fecha em si mesma A partir do momento que cessam as alternativas... Retraiu-me na constância de cavalgar entre meus pensamentos... E sonho dentro do muro... Esse muro que me cerca... Que te cerca e que nos cerca... Esse muro antes soldado, antes colado, Mas agora crescente dentro de mim... Que faz ecoar um grito... Um grito e um sussurro de desespero Pôr não querer estar nele

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Ninguém é forte o tempo todo -Pricilla Camargo Diniz (A fada de olhos azuis)

“Ninguém precisa ser forte o tempo todo. Nós sofremos sim... não somos de aço e nem de diamante... Temos que sofrer para refletir... Temos que chorar para sobreviver... Mas chore tudo de uma vez e sofra tudo bem rápido... pois a vida está te esperando aqui fora... e ninguém sobrevive sofrendo.”

A condição não egoísta do Amor Monogâmico - Pricilla Camargo Diniz (A fada de olhos azuis)

Vou começar de uma forma bem direta. O amor monogâmico não é egoísta. Muita gente "poser" vai tentar refutar essa colocação. Mas na verdade quando um casal se propõe a viver a plenitude desse amor de uma maneira real, completa, experimentando as diversas nuances de estar junto, o amor passa a ser compartilhado, pois, se pensa nos dois ao mesmo tempo... Se pensa na completude das ações vividas junto, na forma como as coisas passam a ser menos drásticas. Como que as cobranças passam a ser outras e não estar extremamente maquiada e de salto o tempo todo... Porque a cumplicidade está em poder ir jantar ambos de chinelo, sem dever nada pra ninguém... E se divertir com isso. O amor monogâmico é além de tudo, um amor desprendido da própria condição egoísta, pois, para esse amor o que basta é a partilha com o outro... É a vivência com o outro... É assumir que o Eu nao comanda a relação mas vive dessa relação de forma real. E ser feliz com isso. Aliás, extremamente feliz. Porque na verdade o amor poligâmico é um egoísta sem precedentes, já que sempre o que comanda a relação é Eu. O Eu, tem sempre que ser satisfeito, custe o que custar. Já que o ego é um fator crucial, pois, todas as alternativas de amor passam a ser vivenciadas de uma maneira quase que obrigatória. Não se segura no que chamamos tentação. Então todos os seres que são atraentes aos olhos do Eu, passam a ser possibilidades reais de amor, não importando o Outro ou a Outra pessoa que porventura já estivesse vivendo um romance. E esse Eu passa a ser arrogante ao passo de que mesmo inconscientemente fale assim: " se quiser ficar comigo você tem que aceitar... Senão tem quem queira." - tem coisa mais egocêntrica do que essa frase? (onde somente o Eu importa na relação?) O amor monogâmico é além de tudo um exercício de desprendimento. É uma prova de que existe relações plenamente compartilhadas entre duas pessoas, que tem que se tornar pacientes, melhores, honestas para fazer com que dê certo. Não estou dizendo que a monogamia nao tenha problemas e que é sempre sublime. Tem problemas sim. Mas é uma maravilha quando esse relacionamento passa a dar frutos e que constata que existe uma construção de futuro pautada em duas pessoas que se estruturam juntas. Onde o Eu nao é o mais importante. E isso nao ser ruim. E isso ser extremamente positivo e lindo.

Contradição de sentidos - Pricilla Camargo Diniz (A fada de olhos azuis)

Hoje me deu saudade das pessoas que já passaram por minha vida... Não saudade de alguém em particular, mas vontade de olhar o meu passado nos olhos e tentar analisar porque as coisas aconteceram dessa maneira. Queria sentir o aroma da hora, o volume das conversas e dos risos; os sons dos engasgos e a trajetória das lágrimas. Quem me dera poder resgatar os doces momentos e aprender com os não tão bons. Aiii. Estou aqui. Deixando o tempo passar na tentativa de que essa saudade do passado passe. Talvez naquele tempo eu fosse mais inocente, sei lá. O negócio é que eu sonhava de um jeito diferente. Não que eu quisesse coisas diferentes de hoje. Mas acredito que o sentido fosse outro, apesar de serem os meus sonhos. Vai entender. Não su a mesma pessoa, pois, as horas da minha vida passaram e estão passando. Acumulei bagagens ora desnecessárias, ora totalmente úteis. Às vezes lavei as mãos cedo demais. E outras que seriam urgentes lavá-las, eu simplesmente deixei de fazer. Como somos engraçados e ao mesmo tempo sem graça. Como somos contraditórios e ao mesmo tempo realistas. Como somos intrigantes e sonhadores. Como somos tão gente assim?!!!!

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Os meus versos não são apenas para manifestar minha egocêntria... Os meus versos tem algumas utilidades... Os meus versos são para o mundo e para mostrar a minha indignação desse mundo... São para eu mostrar meu desabafo... o meu cansaço... as minhas angústias... Mas também são para mostrar e demonstrar as minhas ações perante a vida... que não aceito nada calada... que coloco a cara a tapa e que me entrego inteira... Que minhas lágrimas não são espetáculos... mas sim resultado de reflexões e emoções... Que meus sonhos se tornam versos... e que versos se tornam sonhos concretos... Que meus passos são medidos pelas minhas ações na vida...

VERSOS DE PAZ... Pricilla Camargo (A fada dos olhos azuis)

O meu pranto ressoa de dor... Dor pela perda... Perda essa que poderia ser evitada... Que não precisava ficar guardada... Mas não tem jeito de ir embora... Eu queria recitar versos de paz. Mas cadê??? Cadê? Sumiu... e já não encontro... Bala... choro... assalto... morte... Droga... tapa... sangue... pólvora... Faca... prego... martelo na minha cabeça... Sonhos de um mundo tranquilo... Agora é um mundo sofrido... Um mundo aniquilado pela saudade e pela indiferença. Pela incerteza e pela derrota. Mas ainda estou aqui... Lutando ... Ainda quero meus versos de paz. UBERLÂNDIA QUER PAZ

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Libertação - Pricilla Camargo (A fada de olhos azuis)

Quadros coloridos fizeram minha alegria. com desenhos mal traçados... fiz a minha busca. barulhos surreais vieram de longe. Chaves penduradas cercavam minha liberdade. Janela semi-aberta, foi minha esperança. Caneta em punho... ESTOU LIVRE
!!!!!!!!!!!!!

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Gosto assim - Pricilla Camargo Diniz (A fada de olhos azuis)

Gosto de preencher meu livro de histórias da minha vida, com histórias legais, de bons tempos e boas lembranças. Gosto de ir além do passado e trazer de lá pessoas significativas.Pessoas que valham a pena. Acalento na minha vida, coisas e situações que me façam refletir. Não gosto de andar por andar... tento não desperdiçar meus passos... gosto de coisas duráveis... que pelo menos não causem dores ao serem recordadas. Gosto de coisas descomplicadas. Gosto de ser feliz, por que a vida se torna menos pesada. É menos frustrada. (Não que a vida não tenha sofrimento)... mas é que gosto de chorar todo o sofrimento de uma vez, para não atrapalhar-me a conquistar outras possibilidades melhores. Gosto de conversa franca, sem grosserias e sem pesar. Gosto de flores... Gosto de sabores... E de livros. Gosto de brisa. Gosto de frio. Gosto de edredom e de chá. Gosto de melodia. Gosto de ritmo e de poesia. Gosto da minha vida assim. Gosto assim, pois, assim ela me permitiu estar aqui.

Sou Composta - Pricilla Camargo Diniz ( A fada de olhos azuis)

escrita dia 26/04/2012 Sou composta de várias coisas. Fui determinada pelos ladrilhos percorridos. Pelos amores vividos... Pelos sorrisos que dei. Pelos vídeos que vi. Pelos banhos que tomei, para jogar as tristezas pelo ralo. Sou composta de material orgânico, Mas o que me descreve melhor é minha fórmula etérea... As minhas buscas e minhas quimeras. Sem deixar de lado as minhas lutas. Sem deixar de lado as bandeira que carrego, e as jornadas que escolho. Sou o resultado Da casa que arrumo... Dos versos que escrevo. Dos beijos que dou. Dos carinhos que recebo. E das lágrimas que cultivo e que fazem meu jardim interno crescer.